2005/11/01

O terramoto de Lisboa (3)

As Igrejas

"...ARRUINOU e destruiu o terramoto e incêndio a melhor parte da populosa cidade de Lisboa. O terreno destruído pelo fogo ocupou mais de uma légua de circunferência, pelo círculo que se descreve. Principiando da Igreja de São Paulo, decorreu por uma grande parte da marinha: desde esta igreja vem o círculo pelos Remolares, Corte-Real, Ribeira das Naus, Terreiro do Paço, Ribeira da Cidade, Cais de Santarém até ao Chafariz d’el-Rei; daqui sobe ...

Nesta circunferência destruiu o fogo inteiramente os bairros chamados da Ribeira, da Rua Nova e do Rossio, e grande parte dos bairros dos Remolares do Bairro Alto, do Limoeiro e de Alfama, que eram os mais ricos populosos dos doze em que então se dividia a cidade.

Nesta grande parte de Lisboa consumida pelo fogo foram compreendidas inteiramente a santa Igreja Patriarca e as freguesias da Basílica de Santa Maria (antiga catedral de Lisboa), de Santa Maria Madalena, de Nossa Senhora da Conceição, de São Julião, de Nossa Senhora dos Mártires, do Sacramento...

Neste recinto ficaram reduzidos a cinzas os sumptuosos conventos da Santíssima Trindade, de Nossa Senhora do Monte do Carmo, de São Francisco, de Nossa Senhora do Rosário dos Irlandeses, do Espírito Santo, de Nossa Senhora da Boa-Hora, de Corpus Christi, de São Domingos e de Santo Elói, com as suas majestosas e bem ornadas igrejas...

...se queimou a sumptuosa Igreja de Santo António edificada na antiga casa, em que o mesmo santo nasceu, com a magnífica e bela casa que antes da divisão da cidade servia para as conferências do Senado da Câmara; e na mesma igreja muita e bem lavrada prata, e ricos ornamentos, de que se achava enriquecida. ... havendo o fogo na igreja sido tão violento que derreteu toda a prata, bronze e outros metais, que nela achou". [o relato prossegue com o registo de muitas dezenas de igrejas destruidas]

E os palácios

"...Os palácios queimados foram: o Paço Real da Ribeira que, sendo principiado pelo senhor rei D. Manuel e continuado sumptuosamente por Filipe II, se havia depois acres centado com dilatadas e formosíssimas galerias de soberba arquitectura, e ultimamente com a real Casa da Opera, obra admirável; o Palácio de Corte-Real (que já havia padecido o incêndio que fica dito no tomo XII, a fol. 64), com o tribunal da Casa do Infantado; os palácios dos duques de Bragança (que servia de Tesouro), de Lafões, de Aveiro, de Cadaval; dos marqueses de Valença, de Marialva, de Angeja, de Fronteira e de Cascais... [a lista continua com muitos mais palácios]

Padeceram a mesma desgraça os edifícios de Alfândega Real, Casa da India, Vedoria, Consulado, Contos do Reino, Sete Casas, Terreiro do Pão, Ribeira das Naus e armazém dela, Casa do Tesouro, ao Arco da Consolação...

e os tribunais do Desembargo do Paço, Junta dos Três Estados, Conselho da Fazenda, Conselho Ultramarino, Mesa da Consciência, Casa de Bragança, Contadoria-Geral de Guerra, Tenência, armazéns com as suas grandes secretarias, e as de Estado do Reino, Guerra e da Marinha, cujos tribunais estavam no recinto do Paço, nos quais se perderam cartórios numerosíssimos livros e papéis, com grande detrimento da fazenda real e da dos particulares... "

E as preciosidades

ENTRE as muitas preciosidades que o fogo consumiu, foi muito sensível aos eruditos a perda de muitas e numerosas livrarias. Tem o primeiro lugar a biblioteca real que era numerosíssima e selecta: o senhor rei D. João V a tinha aumentado com grande número de livros modernos, e todos os antigos que se descobriram pela Europa; e uma grande cópia de manuscritos, assim originais como cópias bem escritas, tudo efeitos da sua sabedoria e magnificência.
A do marquês de Louriçal enchia e ornava quatro grandes casas, e era selecta em livros raros e excelentes manuscritos. Tinha sido formada pelos sábios condes da Ericeira, e ultimamente aumentada pelo conde D. Francisco Xavier de Meneses, cuja erudição ainda hoje admira, não só Portugal, mas toda a Europa.
A biblioteca do Convento de São Domingos estava em duas grandes casas e tinha muitos livros raros e grande número de manuscritos, que para ela deixou o erudito beneficiado Francisco Leitão Ferreira. Foi obra do padre frei Manuel Guilherme, que a constituiu pública com assistência de dois bibliotecários e renda grande para o seu aumento.
Na Casa do Espírito Santo havia uma grande e selecta livraria, e outra chamada Mariana, em que se admirava a maior colecção de livros que tratavam de Maria Santíssima obra do padre Domingos Pereira.
Ficaram também reduzidas a cinzas as excelentes e antigas livrarias dos conventos do Carmo, São Francisco, Trindade e Boa-Hora. Tiveram o mesmo sucesso todas as dos palácios que arderam, em que havia algumas muito estimáveis.
As particulares foram muitas, e entre estas era muito preciosa a do inquisidor José Silvério Lobo por numerosa e selecta. Em cinco casas de mercadores de livros franceses, espanhóis e italianos, e vinte e cinco lojas e casas de livreiros portugueses, se consumiram grandes livrarias...

[Extractos de "Memórias das Principais Providências"... de Amador Patrício de Lisboa, 1758]

6 comentários:

Anónimo disse...

Forbes Cover Story Cites the Evils of Blogs
The cover story of Forbes cries, "Attack of the Blogs." The article, written by Daniel Lyons, isn't referring to the mass amount of people blogging and how you just can't seem to escape a blog post these days.
Find out how to buy and sell anything, like things related to road construction safety equipment on interest free credit and pay back whenever you want! Exchange FREE ads on any topic, like road construction safety equipment!

Anónimo disse...

Forbes Cover Story Cites the Evils of Blogs
The cover story of Forbes cries, "Attack of the Blogs." The article, written by Daniel Lyons, isn't referring to the mass amount of people blogging and how you just can't seem to escape a blog post these days.
Find out how to buy and sell anything, like things related to quality assurance highway construction on interest free credit and pay back whenever you want! Exchange FREE ads on any topic, like quality assurance highway construction!

Roberto Iza Valdes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Micas disse...

Mais um excelente post que assinalam os 250 anos do terramoto de Lisboa. Ontem fiquei admirada qd enquanto conduzia ouvi na rádio que vinha a ouvir no momento (uma estação de Colónia) a falarem sobre o terramoto de Lisboa e sobre os eventos marcados para hoje em Lisboa, achei curioso o facto de mencionarem essa noticia numa rádio alemã, eu própria não sabia de nada. Gostei imenso deste texto, levo daqui mais conhecimento. Beijinho

Roberto Iza Valdes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Iza Firewall disse...
Este comentário foi removido pelo autor.