2006/03/31

O suave milagre de Santa Margarida

Miúdo, na aldeia, ouvir os mais velhos falar acerca da tropa e em especial sobre a ida à inspecção - dizia-se sortes, o Toino foi às sortes. E "sortes" porque havia sorteio e alguns livravam-se - ouvir, mais que ouvir bebíamos as palavras. E depois o sargento disse tira a porcaria das cuecas ou queres que te vá aí arrancar os cueiros. Estas e outras conversas verdadeiras ou inventadas maravilhavam-nos e até nos assustavam um pouco. Afinal só tínhamos 11 ou 12 anos e ainda faltavam uns seis ou sete para irmos, Cadete, em 1959
nós também, às sortes. E depois todos nos ríamos quando diziam o Jaquim tão fanfarrão... afinal tinha uma pichota que nem se via. E o Elias! É pá, agora é que se percebe o berreiro da Noémia na noite de casamento! Um chanfalho até ao joelho! Aquilo metia impressão. O sargento até rosnou este deve ter nascido nalguma cavalariça.

Agora estava eu ali, em Santa Margarida, na 3ª Divisão, a Divisão Nuno Álvares, orgulho da nação, em 1962, a responder ao chamamento da Pátria que requisitava os meus serviços neste momento em que os inimigos de Portugal assediavam Portugal em África e em que na Rádio se gritava, sincopadamente "Angola é nossa! É nossa! É nossa!" no programa "Rádio Moscovo não fala verdade", da Emissora Nacional.


Campo Militar de Santa Margarida.

estava no Campo Militar de Santa Margarida já como veterano e promovido a alferes. As primícias gastei-as em Vendas Novas, em 1959, como cadete. Cadete é aquele que, vindo da universidade, mas na fase de instrução não passa de um reles recruta, objecto de todos os caprichos do instrutor, para saber como é, para ganhar endurance, e para não se armar em doutor, intelectual e porras assim, depois de promovido, junto dos oficiais da Academia Militar . Mas cadete é também aquele instruendo que será daí a meses oficial que ganhará o direito a ter um impedido, um soldado feito seu criado, que lhe engraxa as botas, arruma o quarto, compra o tabaco e está ali sempre às suas ordens. E ao contrário do que se possa pensar o soldado-impedido não se sente, "criado" nem humilhado. Até prefere. Evita, os serviços de sentinela, de reforço, de faxina e se o oficial não é uma besta até pode ter alguns benefícios e bom trato. Chegado a oficial o cadete ganhará o direito a tratar com sobranceria, ou até com sadismo os soldados recrutas a si entregues para que deles “faça uns homenzinhos”. Ganhará o direito a frequentar a sala dos senhores oficiais e a ser tratado por Senhoria. Dá-me licença meu Aspirante, saiba Vossa Senhoria que ... em sentido e depois de bater a pala que é como quem diz depois de fazer a continência.
O segundo ciclo da instrução, dois meses e meio depois, já o fiz no CIAAC, em Cascais. A seguir o Exército mandou-me para o GACA 2, em Torres Novas. Aí sim, já feito Aspirante a Oficial Miliciano, isto é, oficial o que dá, da vida militar, uma perspectiva muito diferente!
Ninguém percebeu? Quer dizer Centro de Instrução de Artilharia Anti-Aérea e Costa e a outra sigla Grupo de Artilharia Contra Aeronaves nº 2. Grupo, porque se trata da arma de Artilharia. Porque se de infantaria se tratasse era batalhão e esquadrão no caso de cavalaria. É sempre bom aumentarmos a nossa cultura geral.
Contarei noutra altura essa inolvidável experiência de comandar homens. Conhecer jovens. As suas origens, os seus problemas, as suas vidas, as suas aspirações. Conhecer o país. O país dos homens e das mulheres. Na altura era só de homens. Há quem não aproveite esta rara oportunidade e trate os trinta soldados instruendos à sua conta como seres reduzidos a um número, que têm de aprender a marchar e a ser submissos perante os superiores. Deixo claro que, da minha experiência, concluí que os maus tratos ou formas menos dignas de tratar os soldados partiam em geral, não de oficiais do quadro permanente mas de alguns oficiais milicianos frustrados e de mau carácter.
Doze meses de serviço militar foi quanto me exigiram e logo me despacharam o que me fez muito jeito porque assim recomeçava sem grande perda de tempo a minha vida.
Não voltei ao logo ao Técnico em Lisboa, mas à Faculdade de Ciências, onde se podia fazer os três primeiros anos de engenharia no meio de imensas raparigas que rareavam indecentemente no IST.
Menos de um ano após, na sequência do início da guerra colonial, logo a Pátria requisitou de novo, a minha expertness militar e lá fui dar com os ossos na gloriosa Divisão Nuno Álvares. É talvez a partir daqui que passei a ficar um admirador do nosso antigo Condestável, um atrevido, corajoso, arrojado e meio doido, fidalgo de meia-tigela, desafiador de castelhanos, místico com visões de santos e do próprio Cristo, na origem da futura Casa de Bragança que viria a ser a mais importante Casa do reino e berço da quarta dinastia, de D. João IV a D. Manuel II.
Apesar dos apertos militares em Angola a minha vida ali era fidalga. No quartel-general não havia nada para fazer. A minha função era preencher um lugar orgânico bem determinado no organigrama da divisão. Oficial de operações. Deram-me uns manuais da NATO para traduzir e eu lá ia traduzindo, entre o almoço e o jogo de ténis com o chefe de estado-maior, entre umas braçadas na piscina do Campo de Santa Margarida ao fim da tarde e o jogo do King ou do póquer, na sala de oficiais, depois do jantar.
À quinta feira depois de almoço embarcávamos na carrinha para Lisboa que nem uns pardais em alvoroço, sequiosos de saias, que ali toda a semana, quando não quinze dias, se calhava um serviço ao fim de semana, só havia as das coronelas já completamente passadas aos nossos olhos então muito azougados e inexperientes.
Às vezes havia prestação de serviços de “intendência” mas isso era só para soldados. Os oficiais mesmo à fome, faziam má boca para aquilo. No meio dos pinhais ou numa arrecadação com vigilância à distância, uma que outra mulher de bom coração vinha por ali dar ânimo à tropa. Nos exércitos de quinhentos, seiscentos e depois, estas mulheres, as aguadeiras, seguiam em trupes, os exércitos e sem dúvida ajudavam-nos a manter senão a moral pelo menos o moral.

Em Santa Margarida, deitada de costas, de pernas abertas em cima dum cobertor a resguardar-lhe as viçosas nádegas do mato áspero, ali estava, numa tarde de Junho, mais uma vez, aquela alma benfazeja entre os 25 e os 35 anos. Por apenas vinte e cinco tostões à peça, que ali a clientala era de parcos haveres, aquela abnegada servidora do Estado prestava um meritório serviço público. Numa tarde despachava uns quarenta ou cinquenta sequiosos soldados formando bicha. O esquema organizativo, a rapidez e as moedas a crescerem, funcionava a seu favor porque se alguém se demorava com sofisticações despropositadas, logo os da fila, de arma em riste mas ainda embainhada, gritavam vá, vá, vá toca a andar, pá, que é isso agora!?


Alferes Miliciano no Quartel-General da 3ª Divisão, 1962

Mas o caso que eu queria contar era o seguinte: estávamos todos ali, no salão nobre do quartel-general a festejar qualquer coisa – havia sempre um pretexto honesto porque havia 900 contos (era dinheiro então) orçamentados para despesas de representação. Ora com a guerra colonial, os exercícios da NATO estavam suspensos mas não as despesas de representação. Na ausência das centenas de oficiais estrangeiros da Nato que anualmente estavam presentes em exercícios e festanças tínhamo-nos de nos sacrificar nós e cumprir escrupulosamente os orçamentos. Estávamos portanto ali umas dezenas largas de oficiais de todo o Campo a beber uns champanhes, a comer umas tapas com caviar, salmão e outras iguarias, enfim a festejar a Pátria enquanto não se malhava com o canastro em Angola! quando um estafeta me chega ali, eu de serviço por acaso, e me obriga a acorrer a uma qualquer emergência sem importância mas obrigatória.
Quando regresso e me dirijo, displicente, para uma mesinha de comes e bebes, reparo num sepulcral silêncio à minha volta, um silêncio que me fez parar e olhar em redor. Deviam ter combinado. Então o chefe de estado-maior, o ten-cor Guerra Júnior, na presença dos dois brigadeiros, dos comandantes e restante oficialagem do Campo, vira-se para mim e disse a modos que todos ouvissem bem "então afinal o nosso alferes Narciso é que é o comunista cá do Campo!" Julgo não ter sido fulminado por nenhuma síncope ou raio porque momentos depois dei por mim ainda ali especado mas… para morrer. Talvez fosse um instante mas na altura não fui capaz de avaliar. Na minha total estupefacção (porque o caso é que ainda que ninguém suspeitasse, não sendo eu "o" comunista lá do Campo era no entanto "um" dos poucos oficiais comunistas lá do Campo) comecei a pensar, julgo eu, que teria que dizer qualquer coisa. Ficar calado parecia-me pior. Mas dizer o quê? Sou sim senhor com muita honra? Era parvoíce e pouco engenho. Além de que, é claro... passavam-me a soldado e ia bater com os costados a Penamacor, ao batalhão disciplinar, ou talvez mais certamente ao forte de Caxias ou de Peniche, que a PIDE estava-se nas tintas para regulamentos da tropa. Juro que não sou e o meu Chefe é um grande mentiroso. Também não me pareceu resposta eficaz.

Deus Nosso Senhor ou a Virgem Maria ou o Santo Condestável, dada a nossa cumplicidade, socorreu-me naquele mortífero transe e pela minha boca disse descontraído: “ora meu chefe, se tivesse dito da maçonaria, então é que acertava!” Ainda eu ouvia assustado o resto das minhas palavras quando explode uma gargalhada geral que só a seguir percebi porquê. É que toda a gente sabia (menos eu) ou se não sabia pelo menos dizia que um dos brigadeiros era "irmão" e usaria o legítimo avental dos pedreiros livres nas cerimónias da praxe. O próprio chefe de estado-maior se virou para ele e riu a bom rir. Um milagre! Se há milagres aquilo foi um milagre! Milagre que ainda hoje, agradecido ao Condestável, recordo.

Artes plásticas e poesia



O poster é de Olbinski, como se percebe, mas o poema... esse é da minha amiga Monalisa, no Sítio da Saudade:

Se olhar para cima talvez ainda veja
Um resto do céu do dia de hoje

As tardes chegam depois
Cada vez mais tarde

E eu?

Saberei o caminho de novo?

Olbinski: "Homenagem a René Magritte"


René Magritte "A Assinatura em Branco"- 1965. [link]

Olbinski, Rafal  Posted by Picasa

Olbinski, Rafal

2006/03/29

O Museu Hermitage em S. Petersburgo

São Petersburgo. Vista da praça do palácio de Inverno (à direita), com o Edifício do Estado Maior General, à esquerda, integrado no complexo do Museu Estatal do Hermitage, constituído por 5 palácios.
Ao centro vista do Palácio de Inverno do lado da praça e em baixo vista do Palácio de Inverno do lado do Rio Neva.

O museu tem mais de 3 milhões de obras de arte, desde a pré-história aos tempos actuais e desde arte europeia, Médio e Extremo Oriente. [link]

S.Petersburgo, depois Petrogrado e a seguir à revolução de Outubro de 1917 Leninegrado, voltou ao nome primitivo após o fim da União Soviética e foi a capital dos czares até à revolução comunista.

É a segunda maior cidade da Rússia, depois de Moscovo. Foi fundada por Pedro, o Grande (1682-1725), para consolidar a conquista de território até ao mar com o objectivo de abrir à Rússia o caminho do Ocidente. Construída numa zona pantanosa, sobre 100 ilhas, no delta do Rio Neva, abre-se para o Golfo da Finlândia. Os canais e as 700 pontes estão na origem da designação de Veneza do norte.



Algumas obras de arte do Museu Hermitage