2009/03/08

O Negacionismo


Os comandos neste monitor são mesmo para usar. No Lado direito do quadrado pode arrastar o cursor de alto a baixo e fica logo a saber o que há. Mas pode optar por um clic no botão rectangular à direita e em abaixo para abrir tudo. Em baixo à esquerda o comando permite ampliar e diminuir a imagem. Por fim para sair disto não se esqueça: tecla escape.

3 comentários:

MONALISA disse...

Infelizmente a verdade tornou-se uma coisa relativa. Obrigada pela visita, caríssimo Raimundo, ainda bem que os nossos blogs continuam por cá, para que possamos continuar a partilhar os nossos momentos. Beijo enorme.

Micas disse...

Eu acho, ou tenho quase a certeza, que não deve haver no mundo nenhum país que lembre tanto aos seus cidadãos (desde pequenos, nas escolas) e lhes mostre que o holocausto foi uma realidade, do que a própria Alemanha. Ensina as gerações pós II G.Guerra que não se devem sentir culpados mas sim responsáveis, e sobre isto poderia escrever muito uma vez que sou casada com um alemão que perdeu um dos avôs na nessa mesma guerra e o outro avô ex-combatente na Russia, ainda vivo é o primeiro a falar dos horrores da guerra, a contar pelo que passou aos netos e bis-netos, alertando-os sobre o que se passou e o que se poderá passar noutros países se as pessoas não tomarem como exemplo a II Guerra Mundial. Eu adoro este avô por afinidade, que chora sem vergonha quando fala da guerra e que nos seus 93 anos continua tão lúcido.

Obrigada pela visita, é sempre uma grande honra recebe-lo na minha humilde "Casa".
Um beijinho e tudo de bom para si e familia.

Anónimo disse...

Obrigado às amigas Monalisa e Micas. Fico muito contente por ter notícias vossas. Gostei de saber mais coisas da vida da Micas (bisbilhotice? Gostamos de saber o que se passa com os amigos) Ah, casada com um alemão. Muito bem. Dá para conhecer ainda melhor esse grande povo. Gostei de saber também assim de forma directa (já tinha esses dados indirectamente) da reacção dos alemães ao nazismo e ao holocausto em particular. São um povo que admiro pelas suas qualidades de trabalho e de disciplina. E deram ao mundo gente da mais ilustre Desde Marx a Einstein.
Fui ver esse filme que aqui leva o nome de O Leitor: Caso de amor de um adolescente com uma mulher das SS que cometeu crimes horríveis por estar inserida na máquina e pensar pouco. É um grande filme sobre a natureza humana tão complexa e contraditória. Um animal estranho o Homem (e a Mulher também, creio;))
Beijinhos