2015/10/07

Homenagem aos presos políticos da ditadura nas instalações do antigo Tribunal Plenário da Boa Hora


Tribunal da Boa Hora, em Lisboa, quase junto ao Chiado. Ali, no tempo da longa noite fascista, entre 1945 e 1974, funcionou o Tribunal Plenário, onde eram condenados os presos políticos. No Plenário os "juízes" do regime aplicavam aos presos políticos as penas que os agentes da PIDE/DGS previamente decidiam.

Em 6 de Dezembro de 2006 o MOVIMENTO NÃO APAGUEM A MEMÓRIA - NAM, organizou uma homenagem aos presos políticos, com uma sessão solene na Boa Hora e o descerramento de uma lápide que ficou colocada na antecâmara da sala da atual 6ª Vara Criminal.

Edmundo Pedro, ex-preso político, durante mais de 10 anos, no Campo de concentração do Tarrafal, em Cabo Verde, para onde foi aos 17 anos, juntamente com muitos outros presos, incluindo o seu pai, Gabriel Pedro e o muito conhecido arquitecto de Lisboa e ex-preso político, Nuno Teotónio Pereira, entretanto ambos eleitos membros honorários do NAM , descerraram a placa que assinala a memória daquele lugar. 

Estiveram presentes o presidente do Tribunal Constitucional, o vice-presidente do Supremo Tribunal de Justiça, os deputados à Assembleia da República, coronel ("capitão de Abril") Marques Júnior e o historiador Fernando Rosas, o ministro da Justiça, Alberto Costa, também ele um ex-preso político, a directora-geral da Adminis-tração da Justiça, antigos presos políticos, advogados de defesa dos presos políticos, outros resistentes contra o Estado Novo e activistas do Movimento Não Apaguem a Memória. O Presidente da AR Jaime Gama enviou uma mensagem, Mário Soares não podendo estar presente também enviou uma mensagem na qualidade de advogado de ex-presos políticos. Presente o coronel Vasco Lourenço, também ele "capitão de Abril",  presidente da direcção da Associação 25 de Abril e quase toda a sua direcção. 
O texto da lápide teve de ser negociado com o tribunal da Boa-Hora através do juiz Carlos Berguette. A Justiça da democracia branqueava assim a Justiça da ditadura. João Paulo Guerra no blog Câmara Corporativa, aqui:   http://tinyurl.com/pjtbavy
dá sobre este assunto uma boa informação.

Texto do NAM: "Nesta sala do então Tribunal Plenário, entre 1945 e 1974, foram julgados inúmeros adversários políticos da ditadura, acusados de "crimes" contra a segurança do Estado. "O tribunal não actuava com independência, aceitava e cobria as torturas e ilegalidades cometidas pela PIDE/DGS, limitava-se, salvo exceção, a repetir a sentença que a polícia política já tinha definido. Muitos juízes ignoraram e impediram os presos políticos de denunciarem as agressões e métodos da PIDE/DGS. A justiça e os direitos humanos não foram dignificados nem respeitados no Tribunal Plenário."

"Após negociação com o tribunal da Boa-Hora o texto acabou por ficar assim:

"Aqui funcionou o "Tribunal Plenário", onde, entre 1945 e 1974 - período da ditadura -, foram condenados inúmeros adversários do regime, acusados de crimes contra a segurança do Estado. A justiça e os direitos humanos não foram dignificados. Após o 25 de Abril de 1974 a memória perdura e a justiça ganhou sentido. À dignidade dos homens e mulheres aqui julgados por se terem oposto ao regime da ditadura." 

Na cerimónia, apresentada pelo membro do NAM, almirante Martins Guerreiro, discursaram o Prof. António Borges Coelho, na qualidade de ex-preso político, o juiz Manuel Macaísta Malheiros, na qualidade de ex-advogado de defesa de presos políticos, a diretora-geral da Administração da Justiça e a representante do Movimento Não Apaguem a Memória!, Cláudia Castelo.

Eis os discursos de Borges Coelho, Macaísta Malheiros e Cláudia Castelo. São testemunhos impressionantes.

ANTÓNIO BORGES COELHO:


Em nome das vítimas dos Tribunais Plenários, dos mortos e dos vivos, saúdo os juízes do Tribunal da Boa Hora que quiseram activar a memória dos tempos sombrios. 
As vítimas que represento foram neste local gravemente ofendidas na sua dignidade e no seu próprio corpo. Avivar, hoje e aqui, a memória constitui, pois, um acto necessário e exemplar de cidadania. Os presos políticos, mulheres e homens, que durante dezenas de anos pisaram a barra deste tribunal, não eram gente vencida. Tinham experimentado os perigos da luta contra a ditadura e o rigor da vida clandestina. Tinham suportado a prisão, os espancamentos, a tortura da estátua, os meses de isolamento nos buracos do Aljube ou em Caxias. Muitas vezes chegavam aqui ainda com as marcas da tortura. 
Esta sala, que foi do Tribunal Plenário, era previamente ocupada por agentes da polícia. Um deles escrevia o relatório pormenorizado da audiência e não se coibia de comentar a actuação dos próprios juízes. Mas a polícia não podia impedir a presença de assistentes incómodos. Desde logo, a dos advogados que gratuitamente e com elevado risco assumiam a defesa dos réus. Depois, a das testemunhas que louvavam a conduta ética dos acusados e por vezes defendiam a justeza das ideias que eles professavam. Algumas testemunhas saíam diretamente da sala de audiências para o calabouço. E havia ainda os olhos e os ouvidos dos que conseguiam vencer a barreira. 

Os "julgamentos" começavam com a entrada do promotor e dos juízes do Tribunal Plenário. Entravam sem venda nos olhos e sem balança. Sabiam ao que vinham: julgar mulheres e homens cujos processos tinham sido instruídos, não por juízes, mas por agentes e inspectores da polícia política. E de que crimes eram essas mulheres e homens acusados? Do crime de exprimirem por palavras e escritos a liberdade de pensamento, do crime de exercerem a liberdade de reunião e de associação. 

Os Tribunais Plenários integravam-se no sistema de terror, legitimando-o. No decorrer da audiência os acusados acusavam. A televisão não estava lá para abrir uma janela para o mundo; a imprensa silenciava; o país seguia cabisbaixo. Mas as vozes daqueles que aqui se ergueram acusando ecoaram fundo no coração de muitos portugueses. Não vou referir nomes. Alguns têm o seu lugar na nossa história. Hoje lembro somente aqueles que acusaram e de que ninguém fala. Por vezes agredidos e empurrados para o calabouço. Estas paredes assistiram a muita agonia, a opressão, a desprendimento total das coisas terrenas, a gestos comoventes de sacrifício e dedicação aos outros. Mulheres e homens que nada tinham senão os corpos e a mente indicavam com o seu sacrifício que há momentos em que é preciso dizer não para que a água da vida corra limpa. 

Vinham de todas as camadas sociais mas predominavam os camponeses, os operários, os intelectuais e os jovens. Recordo-os a todos como pessoas nas suas diferenças sociais e políticas e queria com estas palavras erguer um longo mural que chamasse, um a um, todos os nomes. Eles assumiam, letrados ou não, a dignidade antiga e quase sagrada de Sócrates perante os quinhentos juízes do tribunal de Atenas. No final do espectáculo, o Tribunal Plenário condenava as vítimas a anos e anos de prisão, a que acrescentava as medidas de segurança de seis meses a três anos, renováveis tantas vezes quantas a polícia política decidisse com a dócil assinatura dos servidores do Plenário.

Renovo a saudação a todos quantos participaram nesta breve memória dos tempos sombrios. Mas as últimas palavras reservo-as para a primeira noite dos condenados depois da leitura da sentença: embrulhados nas mantas imundas, cortados da vida, sem outro futuro à vista que não o do cárcere e o da "fé". ■

CLÁUDIA CASTELO 
Começo por recordar um texto de José Régio proferido no âmbito da Campanha Eleitoral da Oposição, em 1949:
"Na luta que actualmente se trava em Portugal entre duas formas de pensar e sentir, de governar e de ser – um poderoso elemento há com que jogam os nossos antagonistas: o medo. «O medo é que guarda a vinha» - diz-se. Em grande parte, tem sido o medo que tem guardado a actual Situação. Pode, ainda, ser o medo quem melhor a defenda. Não só em Portugal como em quaisquer países onde um regime conquistou o poder pela força, e pela força impera, esse poderoso inimigo da alma se agigantou a ponto de tapar todo o horizonte.
Inimigo da alma, digo: Porque é o medo que tolhe até os impulsos mais generosos, faz desistir até das aspirações mais justas, afoga até o grito mais espontâneo e, em suma, corrompe e assombra até a mais clara visão da vida. Pelo medo fica a alma pequenina, embaraçada, inerme, torpe. Encolheu-se – dizemos nós de quem teve medo de agir. E não há imagem mais justa. Não admira que cultivem o medo […] todos os regimes autoritários; todos os governos dum partido exclusivo” (CAMPANHA ELEITORAL DA OPOSIÇÃO, Depoimento contra depoimento, 1949, Lisboa, Edição dos Serviços Centrais da Candidatura, p. 58-59).
As palavras de Régio, particularmente lúcidas e incisivas, são uma clara denúncia do império
entorpecedor e desmoralizador do medo que dominou Portugal durante 48 anos. De facto, a longevidade do regime teve muito a ver com a sua natureza profundamente opressiva e obscurantista.
O movimento Não Apaguem a Memória! é um movimento cívico que pugna pela salvaguarda da memória da resistência à Ditadura Militar e ao Estado Novo, para que seja dignificada a luta pela liberdade e pela democracia. O Movimento foi criado na sequência de um protesto cívico realizada a 5 de Outubro de 2005, por um grupo de cidadãos livres e independentes, que quis expressar o seu desagrado pela transformação da sede da PIDE (na Rua António Maria Cardoso, em Lisboa), num condomínio fechado. No próximo dia 11 de Dezembro, serão julgados no 6.º juízo criminal de Lisboa dois companheiros do Movimento: o «capitão de Abril» Duran Clemente e João Almeida, acusados de «desobediência qualificada», por terem integrado aquele acto de cidadania. Todos os que reivindicamos o direito e o dever de lembrar sentimo-nos igualmente arguidos naquele processo.
Desde que há um ano se formou, o Movimento tem vindo a contactar com os poderes públicos (a Câmara Municipal de Lisboa, os grupos parlamentares, diversos ministérios, etc.), para que se preserve, investigue e divulgue a memória da luta contra o fascismo e o colonialismo, nomeadamente através da dignificação de locais simbólicos da repressão, como sejam a cadeia do Aljube, o Forte de Peniche, o Forte de Caxias, a sede da PIDE/DGS e as suas delegações do Porto e Coimbra, a Prisão de Angra do Heroísmo, o Campo de Concentração do Tarrafal, os Presídios Militares, o Tribunal Militar, os tribunais plenários de Lisboa (Boa-Hora) e Porto (S. João Novo), a sede dos Serviços de Censura, etc. Como sustenta o historiador francês Pierre Nora, identificar e assinalar lugares de memória torna-se particularmente importante porque os meios de memória (a memória colectiva espontânea, dos que viveram os acontecimentos ou foram seus contemporâneos) irão inevitavelmente perder-se (vd. Les lieux de memoire, Paris, Gallimard, 1984).
Paralelamente aos contactos com as entidades oficiais, o Movimento tem procurado sensibilizar e mobilizar a sociedade civil para as suas causas. E está particularmente interessado em chegar às gerações mais jovens.
A cerimónia que hoje aqui nos reúne, o descerramento de uma placa que perpetua a memória deste espaço, é a primeira concretização pública dos objectivos do Movimento. Nesta sala funcionou o Tribunal Plenário de Lisboa, entre 1945 e 1974, nesta sala foram acusados e condenados por crimes políticos, portugueses que não se encolheram. Esta cerimónia reveste-se, pois, de grande significado de cidadania, solidariedade e fraternidade, tanto mais que conta com a presença não só de antigos presos políticos e de advogados de defesa do período da ditadura como de altos representantes do poder executivo, legislativo e judicial do actual regime democrático.
Todos nós os que aqui nos reunimos hoje, repudiamos a farsa jurídica encenada durante 30 anos nesta sala; todos nós repudiamos uma administração da Justiça contra o povo, em nome de interesses mesquinhos de um regime autoritário e iníquo; todos nós repudiamos a colaboração activa, com a polícia política, de juízes de nomeação governamental; todos nós repudiamos as condições preparatórias do processo judicial sob prisão e tortura; todos nós repudiamos as “medidas de segurança”, que mais não eram que um eufemismo para uma longa e arbitrária detenção dos que ousavam contestar o Estado Novo, ter ideias próprias e diferentes sobre o modelo político, económico, social e cultural do país, ultrapassar a inércia e o comodismo, quebrar o silêncio, vencer o medo; todos nós repudiamos a sistemática violação dos direitos dos cidadãos que os tribunais plenários continuaram a praticar, mesmo depois de aprovada a Declaração Universal dos Direitos do Homem (a 10.12.1948).
Mas não basta afirmar este repúdio, não basta que os antigos presos políticos, os advogados de defesa, as autoridades judiciárias, os companheiros do Movimento tenham consciência «do rebanho perseguido pelo medo, que da vida perdeu o sentido», não basta que nós (os que viveram e os que estudaram) saibamos que houve alguns que se recusaram «a chegar a ratos» (como disse Alexandre O’Neill). É necessário mais; é necessário que esta memória seja transmitida às novas gerações e a toda a comunidade nacional, para que possa perdurar através da História.
Por isso, esta placa – estática, muda e fria, como é próprio de qualquer placa – é apenas um começo. Importa trazer a este tribunal os jovens das escolas básicas e secundárias, promover visitas de estudo, debates, trabalhos de reflexão e de pesquisa. Cabe aos ministérios da Justiça e da Educação acarinhar e desenvolver projectos educativos sobre a Justiça e o Direito antes e depois do 25 de Abril de 1974. Para que este lugar de memória possa incitar à pedagogia democrática, à produção e divulgação de visões críticas, vivas e plurais da história da ditadura – o que nos parece um imperativo cívico e ético em democracia.
-----------
*Alusão ao «Poema pouco original do medo», de Alexandre O’Neill, publicado no livro No reino da Dinamarca, 1958.

MACAISTA MALHEIROS:

NESTE LUGAR de triste memória, quero evocar as centenas de réus que por aqui passaram sacrificando a sua liberdade à luta pela democracia. Entre outros, os militares e civis do processo de Beja, os comunistas, funcionários e militantes, os católicos cuja consciência obrigava a dar testemunho contra o fascismo, camponeses que lutavam pelo pão e que na segunda metade do século XX, reivindicavam, ainda, 8 horas contra a escravatura do sol a sol, os operários só porque fizeram greves, jovens estudantes dos movimentos de esquerda e extrema-esquerda, ansiosos de liberdade. Vi, eu próprio, neste Plenário, serem espancados pela PIDE, com o consentimento de juízes, o Jorge Araújo, que o advogado Cunha Leal procurou em vão proteger, e, noutro momento, o Joaquim José Dias, ambos militantes comunistas, apenas porque insistiam em denunciar as torturas a que tinham sido submetidos na PIDE. Até a mulher do Joaquim José Dias, ré no processo, foi agredida à bofetada por um PIDE, chefe da brigada que policiava o tribunal, só porque gritava "Ai! Que matam o meu marido!".


Ninguém descreveu melhor o Plenário do que Aquilino Ribeiro, em "Quando os Lobos Uivam". Por isso foi acusado, só não tendo sido julgado, certamente, por terem medo das repercussões internacionais. Escreveu ele: "Plenário... rima com... calvário, rosário, bestiário... até prostibulário". "O legislador encontrou o termo que convinha ao odioso tribunal". "Melhor só um tricorne de inquisidor". "Com a novíssima estrutura judiciária dois dos juízes eram corregedores do crime, e presidente um desembargador". "Mais chocho e perro que o presidente... não havia no quadro". "Um dos adjuntos... reunia em si o tipo do magarefe... e até no manejo do cutelo quando se tratava de aplicar a lei". "No tempo da forca era homem, para, à falta de carrasco, puxar à corda". "Quando interpretava o código, tendia para a pejorativa". "O outro assessor... passava por ser o zero absoluto". "Chegara à corregedoria pela insignificância, à parte a zumbaia". .. era um catolicão até à medula..." .. o representante do Ministério Público, juiz em comissão..." "Ele próprio deixava entender... que era o ouvido predilecto do ministro". "Frieza e servidão incondicional ao poder haviam-no remido da miséria de pontos com que se apresentara a concurso" ... o ministério da Justiça precisa de tais instrumentos para as leis celeradas". Mas Aquilino Ribeiro recorda-nos ainda, noutras páginas do livro, que a violência era prática comum no Processo Penal daquele tempo e não apenas dos processos políticos: "Pegou do cavalo-marinho, que a violência e os castigos corporais eram o processo corrente de averiguação ressurgido pelo aparato judicial..." "Descarregou-lhe segunda, terceira, quarta vergalhada, à quinta...". Tenhamos, porém, presente que o Plenário serviu para aprendermos o que não deve ser o Processo Penal. O Presidente do Tribunal Constitucional, jovem magistrado, com o saudoso Rui Pinheiro, publicou logo após a promulgação da Constituição um estudo sobre a importância dos princípios constitucionais parra o processo penal. A Constituição transformou-se em direito vigente, positivo, as garantias que durante décadas foram negadas e que não devemos permitir que se esqueçam. Refiro alguns artigos: Todos têm direito a fazer-se acompanhar por advogado perante qualquer autoridade — 20.° O direito de resistência — 21.° Ninguém pode ser submetido a tortura —25.° Toda a pessoa privada da liberdade deve ser informada imediatamente e de forma compreensível das razões da sua prisão ou detenção e dos seus direitos — 27.°, 4 A detenção será submetida, no prazo máximo de 48 horas a aprovação judicial — 28.°, 1 A decisão judicial que mantenha a detenção deve ser logo comunicada a parente ou pessoa de confiança do detido por este indicados — 28.°, 4 Os condenados mantêm a titularidade dos direitos fundamentais — 30 5 O arguido tem direito a ser assistido em todos os actos do processo pelo defensor — 32f, 3 São nulas todas as provas obtidas mediante tortura, coacção, ofensa da integridade física ou moral da pessoa, abusiva intromissão na vida privada, no domicilio, na correspondência ou nas telecomunicações — 32.°, 8 Estes princípios consagrados na Constituição e desenvolvidos no Código de Processo Penal regulam a actuação das polícias, do Ministério Público e dos juízes, e hoje o cidadão pode confiar que os magistrados portugueses protegem de forma firme estes direitos, mesmo quando são sujeitos a pressões demagógicas. Aqueles juristas, que consideram haver demasiadas garantias para os arguidos no Processo Penal português, devem ter consciência da prática da PIDE e das perversões que a complacência dos homens, que desonraram a sua beca de magistrados ao serviço do poder no Tribunal Plenário, permitiu e que não devemos consentir se repitam. Nós, advogados, apenas tivemos a honra de acompanhar, nalgumas das suas horas amargas, esses réus torturados e humilhados, que sacrificaram a liberdade para que da noite rompesse a madrugada. Para eles e elas, vai a minha admiração, o meu respeito e o meu agradecimento. ■

1 comentário:

putugal: o pior merda no mundo, SEMPRE!!! disse...


Portugal is the Biggest Racist country that i have ever lived in. I feared for my life there and i consider myself lucky that my family got out alive! I have never lived in such poverty (Sopas dos Pobres everyday) 40% unemployment rate and 60% of the population earn less than $932 USD per month, and that's considered Middle Class here! Within the European Union it is the worst of the worst place to live.

The bottom line is the bulk of the People in our poor country exist in a brainless comma that is fed by Ignorance, anti-Spanish hate, and severe Racism of pretty much everybody that isn't Portuguese! And, Portugal started the Global Slave Trade in 1441 so it is definitely NOT a safe place for Blacks!!

I found important websites that explain the Severe multi-generational Racism and Hate that exist in Portugal today, and i highly encourage all to read them and spread the word in order to avoid innocent, and desperate people from living or visiting there. Get educated on the Truths about Racist Portugal now.



1) https://www.theroot.com/a-white-journalist-discovers-the-lie-of-portugal-s-colo-1790854283

2) https://saynotoracistportugal.neocities.org/

3) http://www.discoveringbristol.org.uk/slavery/routes/places-involved/europe/portugal/

4)SOPAS DOS POBRES EVERYDAY IN PORTUGAL BECAUSE OF NON EXISTENT ECONOMY:

https://www.noticiasaominuto.com/pais/764453/sopa-dos-pobres-foi-criada-ha-anos-mas-ainda-existe-problemas-persistem

5) http://www.ipsnews.net/2011/10/portugal-crisis-pushes-women-into-prostitution/

6) https://www.theatlantic.com/business/archive/2013/06/the-mystery-of-why-portugal-is-so-doomed/276371/

7) Portuguese (what they made-up and call Luso) DNA Phenotype is a mix of Moors, Gypsies and Blacks:
https://www.arabamerica.com/every-facet-portuguese-life-arabs-left-mark/


Be SAFE friends. Hugs.