2008/07/13

Sentencia Juicio Von Wernich

Tenho o hábito de me comprometer com trabalhos que no conjunto exigem de mim não o milagre da multiplicação dos pães mas o milagre da duplicação das horas. Se acham que isto é uma forma de me desculpar por não colocar aqui nem um mísero post desde Janeiro... acertaram.
E a explicação para o recomeço é esta: num esforço hercúleo para abrir um pequenino espaço na balbúrdia de papéis que viceja pela superfície da minha secretária fui lendo e rasgando, lendo e atirando para o lixo, papéis atrás de papéis, excepto uns que para meu tormento se rebelam e... conservo. O último papelinho renitente tinha sentenciado a lápis e letra miudinha "o que é mais grave não é o padre Christian von Wernich ter participado no assassínio de 6 argentinos, vários sequestros e nas torturas a 41 presos e em consequência ter sido, depois de muitos e muitos anos de generoso e conciliador perdão, condenado a prisão perpétua (2007-10-09), o que é mais grave, dizia eu, é ter tido sempre o apoio e a protecção da Igreja que até o escondeu numa aldeia remota do Chile para fugir à justiça". O padre era capelão militar confessava as vítimas católicas e entregava aos torturadores as informações obtidas em confissão. Outras vezes fazia o gosto ao dedo e torturava até à morte. Para bem dos mortos e glória de Deus (se é que alguma vez pensara em Deus).

Rasguei o papel mas depois os pedaços juntaram-se no que reconheci acto milagroso e a mão de Deus. Onde é que isto vinha escrito, interroguei-O. Talvez por não estar em Sua plena Graça fui ao Google que nisto de milagres pede meças ao mais sábio Deus.
O assunto apaixonou a Argentina e até a restante América cristianizada a fio de espada e golpe de canhão por portugueses e espanhóis, que sofreu a onda de ditaduras militares (Brasil, Chile, Argentina, Paraguai (a deste era uma ditadura ancestral), Bolívia, Colombia, etc, mais ou menos fascistas dos anos 70/80 do século passado.

O Padrinho de tais ditaduras que causaram muitas dezenas de milhar de assassínios e centenas de milhar de seviciados, perseguidos e desterrados por quererem liberdade e mais independência nacional foi o paladino dos direitos humanos... nas ditaduras comunistas, Kissinger secretário de estado de Nixon e depois do impeachment deste, na sequência do Whatergate, de Gerald Ford. A barbárie era repugnante as torturas e outros crimes eram requintados. Desde levarem os presos de avião para os atirarem ao mar depois de convenientemente torturados, até ao roubo de filhos aos presos para, com outra identidade, serem criados (noutra cultura política) por sicários da ditadura, respeitabilíssimas famílias católicas, com suficientes teres e haveres, para uma educação como deve ser.
Sobre a matéria podem consultar o Globo, ou aqui na Procuradoria Geral da República do Brasil, ou num site ateista:
"En Argentine, de 1976 à 1983, l'armée impose un régime barbare et 30 000 personnes "disparaissent". 30 000 assassinats perpétrés après les tortures les plus sauvages..." "Qual foi então o papel da Igreja Argentina? Um número resume o conjunto da obra de Emilio Mignone: em 80 membros do corpo episcopal argentino só 4 bispos protestaram contra os militares. Foi um apoio de 95% da hierarquia católica aos golpistas..."

ou, como contraponto, num sítio que defende o padre condenado, a Igreja Argentina, os militares golpistas e toda a sua redentora acção conta o "comunismo diabólico":

"Um fato insólito, perverso e demoníaco acaba de ocorrer na Argentina, com a condenação à prisão perpétua do Padre Christian Federico Von Wernich, pelo “crime” de ter sido durante a ditadura dos anos 70-80 Capelão da Polícia de Buenos Aires. Este caso arrasta-se há 4 anos, desde os quais o Padre Von Wernich esteve preso mesmo antes do julgamento, na penitenciária Marcos Paz.
___________
Nota o link fonte da informação do post ficou. Agora em 2013 06 23 coloquei estes: O Globo ; MNN ; Rede DemocráticaWikipedia 

1 comentário:

MONALISA disse...

De facto o mundo é um lugar estranho...um grande beijo e votos de boas férias.