2005/08/12

Olá Paulo!

Eh pá! li o teu artigo, ontem no Público, sobre "os incêndios do regime" ou sobre "a piolheira" como diria D. Carlos . Vou pô-lo ali para quem quiser ler . Que não perdem o tempo.
Então como é que vais aí em Podentes com essa cinza toda no teclado?
Fugiste da cidade, ao que dizes. Realmente há muito que não te via. Nem no Cristóvão de Moura!
Faxavor tira da cabeça essa ideia de emigrar. O país precisa é de mais Varela Gomes e não de menos. Gente rija. De boa cepa. De carácter.
Um abraço ao pai João, à mãe Gena, à Geninha e à tua irmã mais nova. Não me lembro do nome dela. Fui ao livro, ao "Tempo de Resistência" onde o teu pai fala das 750 cartas escritas à família nos sete anos em que o fascismo o encarcerou por ser um homem honrado e valente. Mas o teu pai só tratava a filha mais nova, ainda muito novinha, por Chuchu... pronto um abraço para a Chuchu.
Ah o livro é de leitura obrigatória (este e os outros que escreveu) para quem quiser conhecer o país que é o nosso e um grande Homem. [Tempo de Resistência, Varela Gomes - Ler, editora -Lisboa 1980.]

3 comentários:

Micas disse...

Vou ler com toda a certeza. Bom fim de semana

Micas disse...

Será uma honra para mim ter a oportunidade de o conhecer pessoalmente, a si e a esposa. Duas pessoas que mt respeito pela coragem e determinação a quem Portugal mt deve. As minhas visitas são sempre um prazer pelo conhecimento que daqui levo, mesmo que não comente na maioria das vezes já que não me sinto com capacidade para o fazer. Beijinhos

MONALISA disse...

Por acaso li este texto no Público há umas semanas atrás e achei esta descriçao de um lucidez enorme.